As aventuras de Diana e Luca no Rio de Janeiro

segunda-feira, 28 de março de 2011

Sem kids em Paris

Tirei férias da minha vida e peguei um avião pra Paris. Não que a minha vida não seja boa, na verdade ela é muito boa. Mas que mãe que trabalha que não gostaria de um tempo livre pra si, para curtir o silêncio, para olhar o que está em volta com calma. Pela primeira vez em oito anos, consegui: embarquei sem marido, sem filhos e sem trabalho por duas semanas. Meus planos eram Paris + Tóquio. Por motivos óbvios, tive de dar uma reestruturada no roteiro. Mantive duas noites Paris e daqui vou pra Cingapura e Bali. Estou num três estrelas muitíssimo fofo (http://www.hotel-paris-laperle.com/), com uma história pra contar. Quando vim visitar a Isabela Caban, grávida do Luca, conheci com ela uma creperia muito simpática, exatamente na Rue de Canettes. Não foi somente a delícia de recordar que me escolher o La Perle. A localização é espetacular para quem está viajando sozinha: central e ao mesmo tempo com silêncio de sobra. (De novo ele, precioso e raro...!)

Vamos portanto ao roteiro do dia. Cheguei de Air France às 11h, meia hora antes do previsto. Entre controle de passaporte, resgate de malas e embarque no ônibus da companhia aérea, juro, foram 36 minutos. Não sei se isso algum dia vai acontecer no Galeão, mas... a rapidez no processo me animou a pegar um dos Cars da AF, por 16.50 Euros até Montparnasse. De lá até o hotel, outros 8 Euros - o que significa uma bela economia em relação a um táxi desde o Charles de Gaulle. Quarto pronto, tudo organizado, fui pra rua. (Descansar agora, só no dia 09.)

Comecei namorando os cafés da Place Saint-Sulpice, a vitrine dos macaroons do Pierre Hermé, as bolsas da Longchamps e, seguindo pela Rue de Sevres, cheguei a um dos meus points favoritos em Paris: a Grande Epicerie de Paris, butique de comida chique do Au Bon Marché (uma loja de departamentos de roupas, bolsas, cosméticos, perfumes etc). Foram alguns minutos entre flores de sal, mostardas com ervas (Luca, comprei uma pra você!), frutas que parecem de mentira, pães cheirosos e queijos idem. Juro, eu fico tonta, com vontade de andar só de primeira classe, sem limite de bagagem, pra levar um carregamento de coisas gostosas pra casa. Vontade também dá de comprar tudo que vende em cima da Epicerie; são as marcas mais jovens do Bon Marche: Marc by Marc Jacobs, Maje, Sandro, See by Chloe. Ui, quanta beleza.

O almoço foi na pracinha ali perto, saladinha comprada no balcão, suco orgânico de laranja, comme il faut. Aproveitei que estava perto e entrei na missa da Capela da Nossa Senhora da Medalha Milagrosa. Pelo sim pelo não, fui agradecer mais um grande ano, mais uma grande viagem. Depois da reza, o pecado. Minha sobremesa foi a limonada mais cara que já tomei na vida: 9 Euros. Mas, daí, como se diz no Sul, eu estava na lanchonete da loja-conceito da Hermés (17 Rue de Sèvres, ao lado do lindo Hotel Lutetia). A idade faz isso com a gente. Nunca antes na história eu tinha tido coragem de entrar nessa loja. Hoje, não estava nem aí. Entrei, sentei, tomei minha limonada com ramos de hortelã, paguei com o suor do meu trabalho, tirei foto das instalações e saí. de cabeça erguida, haha!

Ao lado da Hermès, fica a Maison du Chocolat. Aliás, pausa, desde que a minha amiga Ana Paula Brasil começou a escrever um livro sobre o tema (lançamento em breve) e o marido dela me apresentou ao chocolate 75%, mais amargo, eu me descobri viciada. Hoje visitei nada menos do que TRÊS loja de chocolate: a Maison, a Foucher (familiar, existe desde 1919) e a http://www.patrickroger.com/, um dos lugares mais sofisticados que já entrei. E assim começo a recuperar os gramas que perdi na ansiedade de viajar...!

A hora foi passando e Paris foi passando diante de mim: vi passeata de sindicalistas, vi mulheres lindas e maaaagras, vi homens bacanudos de cachecol, crianças saindo do conservatório de música, carrossel rodando em plena segunda-feira, calçadas cheias de gente matando a saudade do sol e do calor de 16oC. Comprei, claro, presentinhos pra Diana (na estonteante Repetto, um casaquinho de bailarina) e pro Luca (casaco camuflado Gap). Pra mim, comprei perfuminho Jo Malone no Bon Marché e muito protetor solar na farmácia mais barata de Paris: City Pharma, Rue Bonaparte com Rue du Four.

Como a vida está muito difícil (!), enquanto escrevo, vou me delciando com um queijo de cabra e uma baguete pequena. Não dá vontade de jantar. São nove horas, tem tanto restaurante em volta, vou tentar descer - mas e a preguiça? E a vontade de deitar, acordar cedo e começar tudo de novo? Amanhã conto mais!

Marcadores: ,

5 Comentários:

Anonymous Monica Mello disse...

ai cris, disse tuuuudo, bendito silencio! alias foi c vc que aprendi o rodizio com criancas no final de semana, Sergio sai e eu descanso. hehe:) aproveite essas 2 semanas raras!!

28 de março de 2011 17:03

 
Blogger Cristiana disse...

Viu? Me sobrou até tempo para curtir o blog !

28 de março de 2011 17:32

 
Blogger Mic disse...

Ai, Cris, você é minha ídola! Quando eu crescer quero ser assim! ahahahah Muito legal você curtir, ainda mais em Paris, um tempinho só seu. Mais do que merecido! Aproveite! :)

bjs

29 de março de 2011 11:24

 
Anonymous Ana P disse...

Tirar férias da nossa vida é ótimo. Paris é ótimo. Chocolate é ótimo! Você este na mais nova loja do Pralus, essa da Rambuteau! Tá demais essa viagem: comida, cultura, compras e silêncio...

29 de março de 2011 18:40

 
Anonymous Anônimo disse...

Ah, que saudade!!!! :-))))))
vim aqui pegar as dicas de Lisboa e me deparei com isso tudo. Será que mudo a viagem pra Bali?? Eu devorei o Comer Rezar e Amar. E deu uma vontade louca de ir pra Bali. Agora, com seus posts... acho que "preciso muito" (lembre como a gente falava isso??)
IsaCaban

13 de abril de 2011 17:57

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial

 
Free Web Counter
Website Hit Counters